20130530-181420.jpg

Minha vida no ensino fundamental iniciava-se, era a minha primeira série, o que para o meu entendimento – que era de uma criança que ficava apenas interagindo em casa com os familiares e vizinhos- eu estava entrando em um universo muito desconhecido, entrar em uma turma com no mínimo vinte coleguinhas, ter uma professora e ainda utilizar caderno, lápis e borracha era tudo muito novo e isso era mágico e muito bom, mas para desgrudar da minha mãe, e da minha rotina foi relativamente difícil.
No meu primeiro dia de aula, lembro-me que minha mãe me levou até a fila, onde me deparei com muitas crianças, e eu não me encontrava nada tranquila, minha mãe esperou ali e após bater o sinal para começar a aula, ela teve que me deixar ali e ir trabalhar, obviamente, minha reação foi de choro, e minha sensação era de que ela me deixaria ali para nunca mais buscar. A poeira baixou, me acalmei, sentei na minha classe, e fiquei escutando a professora Angela atentamente, e ela com sua habilidade com crianças, lidou muito bem comigo e com o resto da turma, e depois fui perdendo o medo e socializando com meus coleguinhas e com a própria professora, o que tornava a sala de aula um lugar mais confortante, consequentemente.
Logo no primeiro trimestre, aconteceu a festa do caderno, onde eu ganhei meu primeiro caderno da Bela Adormecida, e para minha surpresa, era de linhas. A minha família lotou as primeiras páginas do caderno com bilhetinhos, figurinhas, como um meio de me motivar a estudar e me mostrar o quanto toda aquela fase era importante para mim… E conseguiram, eu estava super empolgada para fazer para fazer os temas, tarefas e saber ler e escrever. Depois dos bilhetinhos e recadinhos de familiares, confraternizamos com lanches, e depois fui no brinquedão brincar com meus amigos. Na primeira série, eu fiz amigos que eu tenho até hoje, comi Victória Tavaniello, Bibiana Gomes, Mauricio Lopes, Giovanna Garcia, Francine Specht e Gabriela Dias (atual melhor amiga).
Após a festa do caderno, aprendi a ler e a escrever com a Angela, uma ótima professora. Não me lembro de ter enfrentado grandes problemas quanto a leitura, e quanto todos os conteúdos que a primeira série engloba, foi uma fase maravilhosa e que hoje, sinto muitas saudades.
Saía da primeira série, com meu boletim muito bom, e entrava na segunda série, o que significava mais um passo para minha caminhada estudantil.

Advertisements

Dia dos Times

No dia 19/4 fizemos nosso segundo trote do ano. todos foram com as camisetas de seus respectivos times de futebol, alguns pintaram seus rostos com as cores dos times, tiramos varias fotos e fizemos algumas piadinhas com nosso “adversários” como de costume. Esse momento foi muito importante para a interação da turma e nos proporcionou muita diversão e alegria.
Acredito que cada coisa que fazemos, mesmo que insignificante para alguns que estão de fora, para todos da turma 232 é algo muito importante, pois marca o final e o inicio de uma etapa das nossas vidas. Pelo menos nós ( Bruna, Juliana e Yasmini) ficamos com o coração muito apertado só em pensar que a partir do final desse ano, todos vao seguir seus rumos.

20130526-174945.jpg

Um convite inesquecível

Na terça-feira 28/03/2013, fizemos um dos trotes do terceiro. Nos pintamos de coelhinhos, trouxemos todos os tipos de objetos para fazer barulho (eu esqueci), e o Risoles bateu tanto em sua panela que chegou entortá-la, e eu até andei com o patins da Bruna pela sala. Foi também, o dia de levar os docinhos para vender, mas eu nao consegui levar porque não tinha a forminha certa pra fazer o “chapeuzinho de pastel” que queria tanto fazer (Vicka de cara comigo eternamente), e por isso, peço perdão à turma!
Fizemos de tudo, mas o mais importante foi o convite de paraninfo que fizemos ao professor de português, Breno Lacerda. Não emocionou só a ele, mas também, a várias outras pessoas, e como ele mesmo disse, isso foi único e vai ficar marcado para toda a vida! Muito criativo, amei tudo nesse dia.
O que me tocou, foi poder ver um certo brilho nos olhos do Breno. Mesmo que ele tenha dito que não conseguia encontrar palavras para explicar o que estava sentindo, suas expressões foram de felicidade, emoção, carinho e amor. Quando fizemos o convite, consideramos muito o carinho, o afeto, as brincadeiras e principalmente a paciência que Breno tem conosco.
Queria que todos os dias fossem assim. Queria que isso não acabasse, e que as pessoas não fossem embora. Mas se todos os dias fossem iguais, qual seria o sentido das lembranças?
Só sei que quando for pra falar de coisas boas, sempre me lembrarei dos professores e da turma! Amo demais todos.

20130420-201543.jpg

Emoção da primeira venda

20130404-211749.jpg

Durante um bom tempo, vimos o terceiro ano vendendo doces para arrecadar dinheiro para a formatura, e nesse ano, é nossa vez, então no dia 28/03 realizamos a primeira venda de docinhos do 3º ano.
Depois da homenagem ao nosso paraninfo, nós (Bia e Rafa), Jé, e Cássia, fomos às vendas. Como estávamos com orelhas coelhinho e pintadas, chamamos a atenção, o que ajudou nas vendas. Tivemos alguns imprevistos por não termos troco, mas algumas pessoas foram bondosas e não reclamaram por isso, tiveram claramente prazer em nos ajudar. Como não vendemos todos os doces pela manha, voltamos à tarde e vendemos para os pais, que se dispuseram a nos ajudar pela formatura, e para as crianças.
Ficamos contentes pelo resultado positivo das vendas, que deu um lucro considerável.

A Última jornada

20130402-091848.jpg

No dia 26 de março de 2013, as turmas do terceirão fizeram a saída de campo à Quinta São José. Convenhamos que é sempre bom ter esses passeios pelo simples fato de sair da sala de aula, mas essa saída sempre teve um significado diferente para as turmas, pois como o nome mesmo já diz, é a jornada de formação, que mesmo sem conteúdos na forma literal, ensina, e muito. Aprendemos a deixar as “birrinhas” criadas na sala de aula. Aprendemos a olhar o colega, não apenas como um colega, mas como um amigo. Aprendemos a conviver com as diferenças do próximo. Aprendemos a saber os defeitos do colega e amá-lo mesmo assim.
O diferencial desse passeio é que, além da interação com os colegas, interagimos com nós mesmos.
O primeiro momento dessa jornada, foi pensar na nossa vida, no que queremos mudar, no que queremos ser, onde estamos e aonde queremos chegar. Colocamos no papel nosso projeto de vida e o que já construímos até o momento. Logo após, cantamos com o Anderson, que por sinal, é muito amado pelo terceirão. E depois dessa reflexão, fomos para o pátio nos divertir com os amigos, sem contar a diversão da ida e da volta no ônibus. Tudo foi maravilhoso!
O que doí é saber que essa foi a nossa última jornada de formação, mas o que conforta, é ter a certeza que mesmo acabando a escola e os passeios, não acaba a amizade, pois o sentimento que a 232 conserva um pelo outro, é para a vida toda.

Integração e o Mascote da Turma

Integração e o Mascote da Turma

No dia 20 de março, para comemorarmos o aniversário da professora Nice, fizemos um momento “relax” em um de seus dois períodos de aula. Todos os colegas ficaram de levar doces, salgados e bebidas para a confraternização. Tudo estava excelente!!! Outro fato relevante, no mesmo dia, foi a adoção do mascote da turma: um porquínho-da-índia. Ele se chamava Oliver, mas a turma impôs um novo nome a ele, e o nome escolhido foi Wellington. Infelizmente não podiamos continuar com ele na sala de aula devido ao barulho que o deixa bastante irritado, mas ele ainda continua como nosso mascote.